POÉTICA PROFÉTICA PESSOAL

 

POÉTICA é um conjunto de recursos expressivos que comove que é emocionante; enfim, é a arte de elaborar composições.

 

POÉTICA PESSOAL é o modo singular que cada pessoa tem de se comunicar e de se expressar pela linguagem da arte. Cada um possui uma poética que foi adquirida culturalmente ao logo da vida e das experiências que influencia nas escolhas e no próprio viver.

 

Cada um de nós pode e deve; ver, sentir, perceber em primeiro lugar a sua poética e depois as poéticas alheias.

Nossa poética pessoal é uma composição que pode ser musical, escrita, pintada, não importa, é a posição que tivemos, a nossa postura ao longo da nossa vida, pois viver é uma arte.

 

PROFÉTICO(a) é um adjetivo que se pode referir a profeta, em que há profecia, do latim propheticus.a.um. Que tem o dom de prever o futuro.

A palavra "Profeta" vem do grego: πρoφήτης, prophétes, em latim propheta que significa "intérprete" ou "porta-voz", "inspirado pregador ou professor", de pro - "à frente, mais adiante" ou "para, em nome de", mais a raiz phanai - "falar".

Ou seja, profeta é uma pessoa que fala "o que vai acontecer mais adiante" ou fala "em nome de alguém". O significado original era simplesmente: "falar", "proferir palavras".

 

A Poética Pessoal é Profética porque a cada segundo falamos e agimos em nome de nós mesmos; e nossas ações, atitudes, escolhas que tivemos temos e teremos será profética, pois somos porta vozes e responsáveis pelo que vai acontecer mais adiante, mais para frente.

Você cria seu texto profético, pois você é seu sujeito profético.

 

Se nosso entendimento e atitudes forem adequadas, podemos prognosticar; prever e antever nosso amanhã e nosso futuro. Seremos então profetas de nós mesmos.

 

Cada um tem dentro de si todas as poéticas; seja nas artes visuais, como fotografia, pintura, escultura; nas artes sonoras como música, canto; nas artes literárias e nas mistas quando exercemos ao mesmo tempo, várias linguagens e percepções, emoções e sensações artísticas.

 

MINHA POÉTICA PESSOAL SÃO AS ARTES, MINHAS LINGUAGENS E MINHAS PARTES QUE FAZEM O MEU TODO.

 

Minha poética pessoal busca e trilha continuamente o caminho do AUTOCONHECIMENTO e do SER EM SI, da CONSCIÊNCIA DA CONSCIÊNCIA.

 

Nesta minha coletânea pessoal, ando na minha floresta e mata pessoal, onde existem árvores, flores, mas também arbustos; sol, lua, luz e por vezes sombras; lagos, cascatas e por vezes seca; facilidade no caminhar no plano e grande desgaste ao caminhar nos picos e montanhas e também nos buracos; animais que se escondem e que se mostram; que são da paz e também da guerra; convivo com a luta e com a fuga, com a fome a sede e com a saciedade.

Ao longo do meu caminho vivencio uma grande diversidade.

Ver, ouvir, sentir, intuir, prever faz parte da minha viagem.

Minha caminhada me faz saber quem sou em contínuo aprendizado e me leva a aprender que experimento repetições e repetições com algumas variações naquilo que vejo; naquilo que eu sou, nos erros que cometi, que ainda cometo e, com certeza, cometerei; porque esqueço que a floresta da minha vida se repete na diversidade; e que preciso levar em conta outros que, como eu, também caminham nas suas florestas.

Ao chegar ao final da minha viagem adquiro consciência de quem eu realmente sou, mas não posso nem devo comemorar com pompas e glórias por ter esta consciência de minha individualidade e sim, juntar-me aos que, como eu, começaram e terminaram a sua viagem de autoconhecimento. O desafio real e próximo agora é encontrar-me com os outros que fizeram a mesma caminhada e com eles formar um grande grupo de pessoas que antes estranhas agora fazem parte de mim e eu faço parte delas, somos uma nova unidade. Não somos apenas o ser individual (SI) e sim o ser infinito (SI), o ser individual no ser infinito, o SI EM SI e não apenas o SER EM SI.

Passaremos a viver a sétima nota musical numa oitava, depois noutra e mais outra, até o infinito.

 

Esta é a POÉTICA PESSOAL PROFÉTICA quando vamos juntos, avançar e nos aventurar pela vida e com a vida e na vida.

Os relacionamentos então serão respeitosos, leves, divertidos, bem-humorados e carinhosos; não há necessidade de domínio nem de poder, apenas associação, colaboração, cooperação e compartilhamento.

 

Não tenho a pretensão nem a intenção de analisar, mudar, dirigir, convencer, influenciar, prever; as individualidades com as suas vidas.

Tenho como propósito pessoal partilhar e compartilhar minhas experiências e minhas verdades com os viajantes de si mesmo nas florestas; com meus filhos que sempre serão e farão parte integrante de mim; com meus amigos por mim amados; com você que ainda não se sente meu amigo, mas que um dia perceberá que é; e todos juntos criaremos uma floresta infinita, ecologicamente sustentável, onde viveremos felizes e alegres dentro do respeito às diferenças e diversidades existentes no mundo que habitamos.

 

PEÇO AOS QUE ME LEEM QUE TENHAM A HUMILDADE NECESSÁRIA AO ATO DE LER E ENTÃO ENTENDER OU QUESTIONAR O QUE AQUI COMPARTILHO E SENTIR QUE PROCUREI TER A HUMILDADE QUE JULGUEI OPORTUNA NO MEU MODO DE ME COMUNICAR PELA ARTE DA LINGUAGEM.

 

HUMILDADE É A VIRTUDE que consiste em conhecer as suas próprias limitações e fraquezas e agir de acordo com essa consciência. O termo vem do vocábulo latino “humilĭtas”.

Podemos dizer que a humildade é a ausência de altivez.

Eu e você não somos melhores, piores, nem mais nem menos importantes que ninguém ou alguém, mesmo ou apesar dos defeitos, qualidades, sucesso pessoal e profissional, posição social, nacionalidade, religião, costumes, situação monetária etc...

 

Religiões tendem a associar a humildade ao reconhecimento da superioridade divina, pois todos os seres humanos são iguais aos olhos de Deus, portanto devem agir e se comportar com humildade. Para o budismo, a humildade é a consciência que se tem do caminho que se deve trilhar para se libertar do sofrimento.

Do ponto de vista filosófico Imanuel Kant afirma que a humildade é a virtude central da vida, uma vez que dá uma perspectiva apropriada da moral e Friedrich Nietzsche, em contrapartida, que a humildade é uma falsa virtude que dissimula as desilusões que uma pessoa esconde dentro de si.

Para além das diferenças em termos de conceito, as pessoas partilham da mesma visão sobre a humildade como sendo a característica que leva as pessoas a realizar uma ação sem proclamar os seus resultados.

 

INÍCIO DA POÉTICA

 

Aos 21 anos de idade, cheia de ilusões, de planos e de fantasias entrei na Faculdade de Medicina, o que significava a materialização de um sonho que acalentei desde que nasci, pois meu propósito de vida era curar o mundo das doenças, das dores, dos sofrimentos.

Fui ao encontro do meio de curar as pessoas, atendendo em meu consultório e trabalhando em Postos e Hospitais. Neste período formei minha família como pude, com auxílio da minha própria família, de pessoas queridas e das inúmeras auxiliares do lar e fui tocando a minha vida. Fiz o meu melhor, mas após alguns anos, percebi que o meu melhor não era o melhor para as pessoas que eu amava e nem para as que eu tratava nos lugares em que trabalhava. Decidi então buscar outros caminhos para melhorar a saúde de um número maior de pacientes, através de Administração adequada dos serviços de saúde que poderiam beneficiar um grande número de pessoas em termos de harmonização da qualidade e quantidade do que era e do que poderia ser ofertado à sociedade; de maneira justa, correta, ética e adequada.

Percebi mais uma vez que o meu melhor não era o melhor para outros tipos de pessoas. Fui buscar outras rotas, estudar outros tipos de Medicina.

Bastante vivida coloquei em prática com pessoas de vários tipos, saberes, crenças, que diziam ter como objetivo a cura das pessoas, inúmeras práticas alternativas e complementares.

Percebi e vivenciei pela derradeira vez que o meu melhor não era o melhor para a minha família, para as pessoas que eu amava e para as com quem me relacionava.

Tive então a certeza de que eu não era nem melhor, nem pior, apenas era diferente e por ser diferente dificilmente era entendida.

Sozinha, comecei então outra Faculdade, a FACULDADE ESPIRITUAL (FE) e após terem se passado 50 anos, comecei a exercer outro tipo de Medicina, a MEDICINA ESPIRITUAL (ME) que usa a espiritualidade, que levo agora para você, embutida no que aqui escrevo, fruto de estudos, lutas pessoais com meu ego, minha vida pessoal e meu íntimo ser, através de minhas POÉTICAS.

 

Para ingressar na FACULDADE ESPIRITUAL (FE), não há necessidade de vestibular, de passar ou ser reprovado ou se reprovar; de ficar excedente, ou ser excelente; de exame do ENEM, nem de nenhum nem qualquer, NHENHENHEM. Não há cotas nem disputas.

Apenas é necessária a FÉ EM SI MESMO e o começo da CONSCIÊNCIA da sua existência e de quem é você, perguntando-se: quem sou eu, de onde vim? Como posso viver em paz comigo?

 

Portadora de íntimos conhecimentos pessoais; tenho hoje a consciência de quem sou e de quem fui; e também de quem não devo ser; e sei que só podemos nos tratar e nos curar se se abandonar o medo de nos conhecer e ter a coragem de iniciar a caminhada para dentro do e de si mesmo.

 

 “CURAR-SE É AMAR-SE;

AMAR-SE É ABANDONAR O MEDO;

MEDO É O QUE AINDA NÃO SE CONHECE,

PORTANTO, CONHEÇA A SI MESMO;

E O MEDO DESAPARECERÁ.”

 

 

Estes estudos, informações, conhecimentos e experiências eu desejo humildemente compartilhar com quem estiver receptivo e também doar à humanidade para serem aproveitados pelos seres que como eu querem crescer e evoluir espiritualmente e têm sede de paz e harmonia entre os seres, países e nações, independentemente das diferenças culturais e religiosas.

Ainda tropeço na minha caminhada, mas sei que estou no caminho certo, tenho consciência plena de quem sou e que sou uma consciência e que não adianta buscar fora o que está dentro.

Para cursar esta Universidade não é necessário prestar vestibular, nem estudar o mundo e o que está do lado de fora de cada um, apenas ter a ousadia e a coragem para buscar, saber e entender a si mesmo.

 

 

RECONEXÃO 

 

Pensando na minha vida e em tudo que tenho vivido, nos coadjuvantes que partilham a minha jornada, cheguei à conclusão que todos nós:

  • Fazemos nossas construções mentais sempre validando nossas dores, nossos sofrimentos.

  • Nossas conexões com os outros com as situações e com a nossa vida sempre é de luta contra adversidades, contra possíveis adversários que entendemos culpados por tudo que acontece conosco.

  • Entendemos nossa vida ora como tragédia, ora como comédia e a alimentamos em cada minuto vivido.

Se assim continuar não terei saída, nem pela porta, nem pela tangente, nem pela janela. Nem voando, levitando.

Já estou num buraco fundo.

Se continuar rodando e rodeando com as mesmas atitudes, o buraco cai num fosso, sem saída nem partida.

O que devo fazer então?

Uma luz ilumina meu cérebro, minha mente.

A luz “fala”:

_ Acorda demente, ouça agora sua mente.

Estremeço, como pode minha mente falar.

Ela me responde:

_Sua mente é você, só você ainda não sabe. Ela não mente nem você está demente. Acorde enquanto ainda é tempo.

_Tempo “prá” que? Ouso responder.

_ “Prá” parar de alimentar seus velhos erros e mudar seu foco, suas atitudes.

_ Mudar por quê? Pergunto com ousadia.

_ “Prá” que sua existência deixe de ser ora tragédia e ora comédia, como um pêndulo que vai e volta sempre para o mesmo lugar, sem parar, nem descansar.

Parei, pensei, vi nexo na conexão com a minha vida desconexa.

_ O que quero perguntei à minha alma?

Ela me respondeu:

_ Bem-estar, qualidade de vida, momentos, minuto a minuto como presentes em que se sinta sempre presente e não ausente.

_ Como fazer este meu querer realidade na minha vida? Perguntei novamente à minha alma, meu íntimo.

_ Mude o foco, as atitudes, as escolhas vendo a poesia e não a tragédia nem a comédia. Ao invés de lutar, contra tudo, todos e contra você mesmo, veja como propósito o bem-estar, a harmonia, uma vida com qualidade em cada minuto, cada segundo, cada momento, como seu foco. Faça a sua própria poesia. Seja a partir de agora um escritor de si mesmo. Reconecte-se com você mesmo.

CONSELHOS PARA VIVER A VIDA NO SÉCULO 21

 

Conselho 01

 

Estamos com pressa todos os segundos, minutos, horas e momentos que vivemos. Não sei o porquê. Já que o dia chega, acaba, a noite vem, fica, acaba e tudo começa novamente. Aqui então vai um conselho para mim e para todos nós: “Apressa-te em tudo que fizer na sua vida, mas DEVAGAR SEMPRE.”

 

 

Conselho 02

 

Pensamos sempre no nosso passado, com alegria, com indiferença, com tristeza, pouco importa, pois já foi. Conselho para mim e para todos: “Não seja conservador, perpetuando os seus erros passados, nem progressista, buscando cometer novos erros”.

 

Conselho 03

 

A inteligência artificial é o aprendizado da máquina, com supervisão humana pois estudam as experiências humanas de maneira automática, mas sem interferência dos seres humanos; na sua leitura fazem diagnósticos, escolhas, têm domínio total. Os algoritmos fazem varredura de todos os dados que encontram no seu caminho, como se se olhasse no espelho e fizesse um relato minucioso do que viu e vê. Conselho para todas as máquinas: “Não adianta quebrar o espelho e sim mudar sua aparência”.

 

 

Conselho 04

 

As informações, os dados, o conhecimento, o discernimento, a lucidez, a consciência, a sabedoria inferior e a sabedoria superior devem seguir a sua rota científica que se acha exata, mas como seres humanos evoluídos que conhecem o mundo em que vivem, usemos nosso poder pessoal adquirido para estar acima de tudo. Conselho para todos os seres humanos: “A ventura e a aventura das nossas vidas devem nos levar a voar, a planar acima dos dados, das pesquisas, das máquinas em geral”.

© 2020 by Daniel Moreira Hälbig whatsapp (55)1198184-1290

whatsapp (2).png